Brasil

  Rio Grande do Sul

Revista Isto É de fevereiro/2002

 Menu

 Página inicial
 Quem sou
 Trabalhos
 Artigos
 Notícias
 Assuntos 
da semana
 Livros 
 Cartas e Respostas
 Charges

 Contato para pales-
tras e assessorias

 Links 
Recomendados 
Outros
 E-mail
 Enquetes anteriores


Guerra na fronteira
Poderoso traficante paraguaio acusa polícia de seu país de se vender a rivais brasileiros, como Fernandinho Beira-Mar
 

Amaury Ribeiro Jr e Leopoldo Silva (fotos) - Capitán Bado, Paraguai

Cercado por seguranças, Cabral esconde o rosto com uma estampa de Cristo para falar do confronto com os chefes do tráfico no Brasil

Apontado pela Polícia Federal e pela Divisão Antinarcóticos do Paraguai (Dinar) como o principal traficante da fronteira do Brasil com o Paraguai, Carlos Cabral, conhecido como “Líder”, 30 anos, é um homem desesperado. Sucessor do sexagenário João Morel – o poderoso chefão paraguaio que comandava o tráfico da região até ser morto no ano passado, em um presídio de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, por ordem do traficante carioca Fernandinho Beira-Mar –, Cabral sabe que seu império começou a desmoronar. Isso ficou claro na noite de 8 de janeiro, quando recebeu um telefonema da Dinar em Pedro Juan Caballero, município paraguaio que faz divisa com o Brasil. Policiais recomendavam a Cabral que reduzisse sua segurança e retirasse os fuzis AR-15 e as metralhadoras de sua fortaleza, localizada a um quilômetro do centro de Capitán Bado, um pequeno vilarejo na Província de Amambay, também na fronteira. No dia seguinte, alertavam os policiais, haveria uma blitz da Dinar sob a coordenação da promotora Terezinha Paredes. Com a confiança de quem tem policiais em sua folha de pagamento, o traficante não duvidou da recomendação. Acompanhado por apenas quatro seguranças, aguardou a batida. A visita se confirmou no dia seguinte, mas os agentes da Dinar não vieram sozinhos.

Cabral tomava tererê (erva-mate do Paraguai) com amigos quando viu o portão de sua casa ser perfurado por tiros. Sob o comando do líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Douglas Ribeiro Cunha, um fugitivo do Presídio de Ribeirão Preto que se transformou no atual homem forte de Beira-Mar na fronteira, 20 homens encapuzados invadiram a fortaleza do “Líder”. Armado com granadas, fuzis AR-15 e M-16 e metralhadoras Uzzi, o esquadrão de Douglas arrombou os portões da casa de Cabral enquanto os agentes da Dinar Carlos Pereira e Ricardo Diaz agiam pelas portas dos fundos, matando os seguranças. Um terceiro agente, Francisco Resquim, dava retaguarda numa Toyota do lado de fora. Em lugar de uma blitz, houve um massacre. Com o apoio logístico dos agentes da Dinar, os traficantes lançaram granadas em direção aos capangas de Cabral. Seu filho, Leonardo, de três anos, foi morto com um tiro de fuzil. Pulando um muro lateral, “Líder” escapou do tiroteio. Foi apenas um lance da mais sangrenta guerra na disputa pelo tráfico que se tem notícia na fronteira do Brasil com o Paraguai. Um ataque de 15 minutos deixou 11 mortos. E nos últimos 30 dias, foram mais 21 assassinatos.

 

 

adicione o Polícia e Segurança aos favoritos.

Clique aqui para assinar o Livro de visitas
Clique aqui para ler o Livro de visitas.
As idéias e opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade dos seus respectivos autores.
 

Web designer: Otálio Afonso